O que é Dharma?

Para responder essa questão vamos usar uma história da mitologia, extraída do Mahabharata. Durante os doze anos que durou seu primeiro exílio, os cinco irmãos Pandavas e sua única esposa, Draupadi, foram peregrinando de lugar sagrado em lugar sagrado. Atravessando uma região baixa e pantanosa, os gêmeos Pandava, Nakula e Sahadeva, chegaram a um pequeno lago, acossados pela sede. Quando iam a beber, uma voz pediu que antes respondessem algumas perguntas. Não resistindo à sede, ouve a voz, mas não desiste de beber e também morre ao fazê-lo. Depois chega Bhisma e acontece-lhe o mesmo. Finalmente, Yudishthira descobriu se quatro irmãos mortos e sentiu que “seu coração o abandonava”. o lago reitera suas exigências e o maior dos Pandava faz um imenso esforço vencendo sua sede:

– Interroga-me – disse ao lago.
E o lago perguntou:

– O que é mais rápido que o vento?
– O pensamento.

– O que é que pode cobrir a Terra toda?
– A escuridão.

– Quem são os mais numerosos, os vivos ou os mortos?
– Os vivos, porque os mortos já não são.

– Me dê um exemplo de espaço.
– Minhas duas mãos juntas.

– Um exemplo de pena.
– A ignorância.

– Um exemplo de veneno.
– O desejo.

– Um exemplo de derrota.
– A vitória.

– Qual é o animal mais astuto?
– Aquele que o homem ainda não conseguiu conhecer.

– O que surgiu primeiro: o dia ou a noite?
– O dia, mas somente precedeu a noite por um dia.

– Qual a causa do mundo?
– O amor.

– Qual é o teu oposto?
– Eu mesmo.

– O que é a loucura?
– Um caminho esquecido.

– E a revolta? Porque se revoltam os homens?
– Para encontrar a beleza, seja na vida, seja na morte.

– O que é inevitável para todos os homens?
Vyasa conta que antes de responder, Yudishsthira pensou talvez na longa sucessão de reencarnações, ao final da qual se atinge a libertação. Por isso respondeu:
– A felicidade.

– E qual é a grande maravilha?
– Cada dia a morte ataca ao redor nosso e vivemos como vivos eternos. Eis a grande maravilha.

Então, o lago disse a Yudishsthira:
– Que teus irmãos voltem à vida, pois eu sou Dharma, teu pai. Eu sou a retidão, a constância e a ordem do universo.

Segundo o estudioso hindu Harish Johari, o dharma é “a lei inerente à natureza de todos os fenômenos existentes. Aquilo que apóia, o que mantém unidas as pessoas, isso é dharma. Não é apenas um conjunto de crenças separadas da vida diária, senão o conjunto de princípios para viver uma vida harmoniosa e benéfica. É uma doutrina prática. Em seus significado etimológico, dharma significa igualmente ‘aquilo que aglutina’. Lilah.

Trecho retirado do Livro Yoga Prática de Pedro Kupfer.

Deixe seu comentário