Yoga e vegetarianismo

Captura de Tela 2015-12-28 às 06.14.47O vegetarianismo tem crescido muito nos últimos anos. Milhões de pessoas em todo o mundo têm revisado os hábitos alimentares e encontrado razões para a eliminação da carne do cardápio. É comum associarmos o vegetarianismo à pratica de Yoga e isso gera algumas dúvidas. É necessário se tornar vegetariano para praticar? Qual é o real motivo por trás dessa mudança alimentar para os yogues?

Não é essencial para o praticante de Yoga se tornar vegetariano, embora seja natural a reflexão sobre o tema considerando esse um assunto importante. Carregamos hábitos alimentares muito associados a nossa cultura, podendo tornar a restrição de carnes algo extremamente difícil para algumas pessoas. Qualquer mudança de hábitos deve ser feita com atenção observando o seu comportamento, mas principalmente de forma compassiva consigo e respeitando os próprios limites.

Cada um tem o seu tempo para implementar esse tipo de mudança. Não é sinônimo de avanço espiritual adotar uma dieta vegetariana, porém faz parte da vida de Yoga a observação das próprias ações. Com atenção, verificar até que ponto as escolhas são estritamente mecânicas, carregadas de hábitos condicionados e a partir dessa observação efetuar as mudanças necessárias para evitar ferir ou machucar outros seres é a atitude de um yogue. E é aí que vem o entendimento do porquê da dieta vegetariana. Sabendo da dor que podemos causar a outros seres, desenvolvemos a força interna que sustentará essa simples mudança de hábitos.

Há muito tempo nos desconectamos daquilo que comemos. Nos habituamos a escolher nossos alimentos em gôndolas de supermercados, embalados, nos tornando passivos em relação à forma como esse alimento chegou até nós. É importante refazer esse caminho e escolher os alimentos também de forma atenta. Ao olharmos a carne embalada no freezer do supermercado não avaliamos a dor daquele animal que está presente ali. Repensar os hábitos e restabelecer essa sensibilidade é essencial. Seguindo esse raciocínio, ao optarmos por uma dieta carnívora estamos sendo cúmplices de uma grande violência contra os animais, ou até mesmo os próprios “mandantes desse crime”. Você pode achar essa expressão forte, mas mais forte é a dor que os animais sentem ao serem abatidos e na forma como têm sido tratados pelos grandes pecuaristas e empresários da indústria da carne. E, por esse motivo, o veganismo se apresenta como um passo além. Os animais leiteiros criados nas gerações anteriores à nossa praticamente faziam parte da família. Eram bem tratados e a retirada do leite era feita apenas para suprir a necessidade daquela família. Muito diferente disso, hoje os animais leiteiros são submetidos ao mesmo tipo de tortura dos animais criados para o corte. Poderia citar muito do que tem ocorrido com os animais, entretanto pra quem tem interesse não falta material disponível e com grande conteúdo na web.

É tão contraditória a forma como tratamos os nossos animais de estimação com todo amor e cuidado para não feri-los e reduzir a sua dor ao máximo, enquanto nos deliciamos com um prato de bife acebolado. O nosso amigo “pet”, nossos animais de estimação, possuem o mesmo grau de senciência, ou seja, possuem a mesma capacidade de sofrer e de sentir dor dos animais que levamos para o prato. Porque ao olharmos para a foto de um gatinho, como esse que ilustra o texto, sentimos afeto sem considerar a possibilidade de matá-lo para comer, e não sentimos o mesmo pela vaca, porco ou galinha presentes em nosso prato? Ser vegetariano é repensar os conceitos alimentares, é se tornar sensível à dor.

Pensando na saúde, esse é outro motivo para o praticante de Yoga optar por uma dieta vegetariana. Além de mais saudável, ela traz maior clareza mental. A carne é um alimento tamasico, isto é, um alimento que te induz à inércia, à estagnação, à preguiça. Como nós precisamos de uma mente com clareza, capaz de refletir sobre a sua real natureza, evitamos qualquer alimento que deixe a mente turva, estagnada, lenta e que comprometa o fluxo da energia vital. A dieta vegetariana é possível e bastante benéfica para o bom funcionamento do organismo humano. Além dos milhares de vegetarianos saudáveis que demonstram isso, ainda temos o exemplo da Índia com maioria de vegetarianos saudáveis ao longo de gerações.

Aprendemos na escola que a Índia, berço do Yoga, é um país predominantemente hinduísta, uma religião politeísta que acredita que a vaca é sagrada. Essa pobre análise nos leva a um grande equívoco que também influencia a forma como enxergamos essa cultura tão rica e a sua opção pela dieta vegetariana em sua maioria. Na verdade o hinduísmo não é politeísta, mas uma forma de ver Deus em tudo. Para os hindus tudo o que está presente no Universo é Deus, manifestações divinas, inclusive todos os animais. E essa é a visão do Yoga, e por isso ajustamos nossas ações evitando dor a qualquer animal, tratando todos eles com reverência e respeito.

Outra motivação para adotar uma dieta vegetariana é o impacto da pecuária no meio ambiente. Além do aumento do efeito estufa, a pecuária tem sido responsável pelo desmatamento de grandes áreas em todo o Brasil para a criação de animais ou pelo crescimento das grandes monoculturas para a produção de ração para esses animais, comprometendo a vida de milhares de espécies do reino animal e vegetal e transformando áreas ricas em biodiversidade em regiões áridas, cheias de agroquímicos e com ausência de vida.

Não é essencial ser vegetariano para praticar Yoga, essencial é avaliar as próprias ações, colaborando para a felicidade de todos os seres ao redor. Revisitar os próprios comportamentos e adequá-los ao conhecimento. Lembre-se que o que dá força para que a mudança ocorra é o conhecimento. Uma vez que eu sei que uma ação causa dor a alguém, me sensibilizo e interrompo a ação contribuindo para o bem e felicidade de todos.

Namaste!

Por Carina UchoasSatya Yoga

One Response to “Yoga e vegetarianismo”

Deixe seu comentário