Autocura através dos aromas

O filósofo Sócrates já sabia da importância do autoconhecimento. É dele a frase: “Conhece-te a ti mesmo e conhecerás o universo e os deuses.” Depois disso muitas águas já rolaram, mas poucas verdades foram ditas com tanta clareza e simplicidade.

A prática de se conhecer melhor faz com que uma pessoa tenha controle sobre suas emoções, sejam elas positivas ou não, e ajuda também a acalmar a mente agitada. Tal controle emocional provocado pelo autoconhecimento pode evitar a ocorrência de sentimentos confusos de inquietude, frustração, ansiedade e instabilidade emocional, tão presentes nas pessoas atualmente.

O segredo está em buscar no momento presente o equilíbrio entre a leitura interna do indivíduo e suas necessidades físicas, mentais e emocionais e o caminho para satisfazê-las, compreendendo a interpretação do cenário onde ele se encontra (o que está do lado de fora de si mesmo). Para isso é de fundamental importância a perfeita acuidade dos sentidos.

Na correria do dia-a-dia os sentidos mais estimulados nas pessoas são o da visão e da audição ficando os outros sentidos em segundo plano, sendo menos requisitados e observados – o que pode ocasionar distorções da realidade. Afinal, se saúde pressupõe bem-estar e boa capacidade de leitura da realidade, é natural concluir que estar presente de forma parcial em relação aos sentidos pode gerar danos à saúde a curto, médio e longo prazo. Além disso, desgastes precoces vêm ocorrendo com mais frequência – mesmo vivendo em tempos que a ciência e a tecnologia estão muito avançadas em relação a poucos anos da história da evolução humana.

Resgatar os sentidos de forma plena é prioridade para quem deseja viver com saúde, em comunhão, como propaga o Yoga. Usar a percepção mais refinada dos sentidos, para perceber as nuances da comunicação que os aromas nos oferecem, saborear com arte o paladar diferenciado encontrado nas texturas que a natureza nos oferece, assim como voltar a compreender a simbologia do toque, é um dos caminhos para resgatar o bem-estar original.

O mundo dos aromas naturais, que estão disponíveis para quem desejar, através dos óleos essenciais extraídos das plantas aromáticas, pode ser uma rota prazerosa para resgatar o ser humano desse embotamento generalizado em que vivemos hoje. Por que se embriagar com perfumes sintéticos feitos em série e que fazem com que todos exalem o mesmo tipo de cheiro, transmitam o mesmo tipo de mensagem olfativa, como se não fossem seres únicos, com personalidade e pontos de vista diferentes, por exemplo?

Alguns óleos essenciais podem ajudar no exercício meditativo de auto-observação, como o óleo essencial de sândalo. Seu aroma ajuda a se recolher, a abrir espaço para o silêncio e assim poder ouvir o sagrado que habita cada ser. Se o movimento desejado for o inverso, o de se abrir para celebrar a vida em seu esplendor e em comunhão com outros que estiverem no mesmo clima de festa, a opção pode ser sentir o aroma de tangerina ou limão siciliano, que promovem um clima de alegria espontânea e bom humor. Para cada momento, para cada indivíduo a natureza pode colaborar para resgatar a saúde, basta estabelecer uma conexão e estar atento a ela.

O ser humano tem recursos poderosos para a sua autocura. As práticas que levam ao autoconhecimento e integração dos sentidos com a natureza sempre estão disponíveis, é preciso apenas despertar a consciência e compreender a grandeza e as bênçãos da vida.

A seguir algumas indicações de óleos essenciais que podem ajudar nessa busca de integração com a natureza e autocura:

– Alecrim: ajuda a promover vigor, força, ânimo e disposição. É contraindicado para gestantes, hipertensos e epiléticos.

– Bergamota: o óleo do bom humor, da alegria, ajuda a enfrentar momentos depressivos e de excesso de responsabilidade. É fotossensibilizante, não se deve expôr a pele à radiação UV quando este óleo for utilizado.

– Copaíba: o óleo da integridade e da proteção em todos os aspectos, um excelente antisséptico, cicatrizante de pele e de cicatrizes da alma.

– Gerânio: um apaziguador e equilibrador das emoções; ajuda a despertar os aspectos femininos da alma como a sensibilidade, criatividade e nutrição.

– Hortelã: uma de suas propriedades é a de ajudar a despertar o olfato adormecido, além de ser excelente para trazer concentração, atenção, mente desperta. Também auxilia na digestão e é estimulante da memória.

– Laranja: para quem necessita de aconchego, de colo, por viver em muita tensão e estado de preocupação; traz a alegria das crianças e ajuda a viver o momento presente. É fotossensibilizante, não se deve ter a pele ser exposta à radiação UV quando este óleo for utilizado.

– Lavanda: considerado o aroma coringa da aromaterapia, trata pequenos ajustes com muita delicadeza e pode ser usado do bebê ao idoso; traz calma, tranquilidade, alivia o estresse e a ansiedade. Excelente cicatrizante de pele injuriada. Ajuda em casos de insônia.

– Limão siciliano: ajuda a vida a fluir, melhora o bom humor, ajudar a desapegar do que não faz mais sentido, melhora a concentração no que é necessário. É fotossensibilizante, não se deve ter a pele ser exposta à radiação UV quando este óleo for utilizado.

– Patchouli: esse é o óleo essencial indicado para lidar com desordem, pois nos ajuda a compreender a importância da flexibilidade para ter disciplina e aprender a ordenar a vida de forma orgânica, sem neuras, com tudo em seu tempo.

– Sândalo: ajuda a encontrar o grande eixo entre as coisas do céu e da terra, a encontrar conforto no silêncio, a não ter medo de estar só e a compreender a diferença entre “só” e “solidão”.

– Ylang-ylang: o aroma que promove autoestima, que ensina a encontrar a verdadeira imagem sem medo, sem críticas, que acalma palpitação de um coração apertado e ansioso.

Os óleos essenciais não devem ser usados puros sobre a pele. O fato de serem naturais não significa que não possuem contraindicação, e, portanto, é necessário ter informações de origem confiável sobre eles ou pedir ajuda de um profissional que atue na área de aromaterapia. Eles podem ser utilizados diluídos em gel natural, como o de aloe vera, ou em óleo vegetal no caso de automassagens, podem ser utilizados em colares aromáticos de cerâmica, que difundem os aromas de forma gradativa, em forma de spray, em aromatizadores de ambientes ou em cosméticos “verdes” que são aromatizados de forma natural. Enfim, de muitas formas e com certeza uma delas atende melhor as suas necessidades em cada momento. Basta ligar os sentidos e estar atento à criatura mais importante da sua vida: VOCÊ.

Eliane Dornellas

*Eliane Dornellas é Aromaterapeuta com experiência em vivências em grupo, reikiana, engenheira
química – pesquisadora das propriedades dos óleos essenciais e consultora da Fator Natural para
desenvolvimento de cosméticos naturais e marketing olfativo, professora do curso de pós-graduação de cosmetologia da Faculdade Oswaldo Cruz.

One Response to “Autocura através dos aromas”

Deixe seu comentário