Sthira e Sukha

A atenção sustentada e a leveza e conforto!

O Yoga Sutra refere-se a uma bela imagem da mitologia indiana para ilustrar o conceito de sthirasukha. É a historia de Ananta, o rei das serpentes. Flutuando no oceano, seu longo corpo de serpente enrola-se para formar uma cama confortável, onde descansa o deus Viṣṇu. As mil cabeças da serpente estendem-se para cima e abrem-se como um guarda-chuva que protege Viṣṇu. Sobre o guarda-chuva repousa a Terra.

O corpo da serpente é leve e suave o suficiente (sukha) para servir de cama para um deus e, ao mesmo tempo, suficientemente firme e estável (sthira) para suportar todo o peso da Terra. Devemos nos empenhar para conquistar essas mesmas qualidades de suavidade e firmeza na nossa prática de āsana-s, ao mesmo tempo em que nos certificamos de que, progressivamente, fazemos menos esforço ao executá-la.

Para atingir sthira e sukha, a prática de yoga deve ser sensata e bem-estruturada. Quando praticamos āsana-s, há um ponto de partida de onde começamos, exatamente como para tudo na vida. O ponto de partida para essa prática é a condição de estarmos por inteiro no momento presente.

O Coração do Yoga T.K.V. Desikachar
Tradução Greice Costa

Deixe seu comentário