Hoje eu sei…

Hoje eu sei que a compaixão é capaz de transformar o mundo e transformar o ser.

Hoje eu sei que a compaixão pode ser desenvolvida, cultivada; que as áreas do cérebro responsáveis pela compaixão podem ser estimuladas.

Hoje eu sei que é possível “musculação de neurônios”através da meditação e do pensamento amoroso, terno, inclusivo, compreensivo, sábio.

Hoje eu sei que o Ser se manifesta em cada ser que se entrega à bondade e ao Caminho do Bem, que é o Caminho Iluminado.

Hoje eu sei que a Verdade é o Caminho. A Verdade com “V” maiúsculo, onde tudo está incluso – até mesmo as mentiras.

Hoje eu sei que não sei, que não há nem mesmo um “eu” que sabe e não sabe.

Hoje eu sei que intersomos, interconectados com tudo o que existe. Somos um só corpo e uma só vida. Estamos em rede. Na rede de Indra, feita de raios luminosos e, em cada intersecção, uma jóia recebendo e emitindo raios em todas as direções.

Hoje eu sei que somos co-responsáveis pela realidade em que vivemos, pelo mundo em que estamos, e que não adianta reclamar, é preciso agir para transformar.

Hoje eu sei que a juventude passa, os amores passam, a velhice passa, os desamores passam. Tudo é transitório e passageiro. O que se une, inevitavelmente se separa. E assim é.

Hoje eu sei que a pessoa mais forte é aquela que se rende primeiro, que sabe ser flexível.

Hoje eu sei que a água é capaz de se moldar ao recipiente que a contém, e que o gelo é duro e pode ferir. Então faço dos ensinamentos sagrados o sol que derrete o gelo e nos liberta de nossa própria frieza.

Hoje eu sei que é preciso sentir; que a indignação é uma alavanca para as grandes transformações e que as grandes transformações são feitas de pequenos gestos simples no dia a dia.

Hoje eu sei que palavras amorosas e ternas afetam as moléculas de água, e que somos mais de 75% água. Então, eu cuido do que falo, do que penso e como ajo.

Hoje eu sei que a mudança depende de mim e de cada um de nós. E que só há um caminho: ação amorosa, não violenta, para resolver conflitos e atritos.

Hoje eu sei que a vida vale a pena ser vivida em sua plenitude deste instante eterno. E tudo que temos é este instante. Aqui e agora.

Texto extraído do livro: ZEN YOGA.
Dois caminhos. Uma verdade.
Monja Coen e Vitor Caruso Jr.

Deixe seu comentário